PARQUE
ARTÍSTICO-BOTÂNICO

MUNDO-ARTE

Conceito nuclear da Usina de Arte é exponenciado no Parque Artístico-Botânico, que busca uma total simbiose entre a natureza e as obras dos artistas residentes

O Parque Artístico-Botânico da Usina de Arte não é apenas um jardim de esculturas, mas um espaço de experiências, de interações, de transmutações. Um projeto orgânico e sempre em construção, como foco na sustentabilidade ambiental, inclusão social e conservação da diversidade biológica e cultural da região. Aqui, o passado sucroalcooleiro não é negado, mas revisitado e usado como motor para a transformação do futuro. Explorada por décadas como pasto e lavoura de cana, a área onde fica o parque perdeu essencialmente todas as espécies florestais de Mata Atlântica que possuía. A Usina de Arte inicia uma nova relação com esse ecossistema, tomando a sustentabilidade como pilar. O projeto botânico-artístico busca contribuir para o reflorestamento e a recuperação do habitat de animais silvestres na região. Ainda em desenvolvimento, o paisagismo é baseado na tropicalidade que caracterizava a mata nativa. A estimativa é de que, em cinco anos, o parque conte com cerca de cinco mil espécies distintas. Em sintonia com a nova filosofia de ocupação do espaço, os artistas residentes trabalham em estado de imersão e contaminação com o ambiente, a história, a cultura e a gente da vila Santa Terezinha. Desse convívio, surgem obras pensadas para sobreviver às intempéries e conviver harmonicamente com a flora e a fauna locais. São criações que geram seus próprios espaços e oferecem suas materialidades ao tempo, ao clima, ao desenvolvimento do parque. A Usina de Arte oferece visitas guiadas ao Parque Artístico-Botânico e apoio técnico a propriedades vizinhas, estimulando-as a também redesenhar suas práticas de ocupação ambiental, social e cultural.

GALERIA DE IMAGENS

Parque Artístico-Botânico. Foto: Andréa Rêgo Barros.

Parque Artístico-Botânico: palmeiras Syagrus picrophylla e Syagrus sancona, escultura mobiliária de Hugo França e, ao fundo, a obra "Átrio", de Marcelo Silveira.

Parque Artístico-Botânico: Cordyline fruticosa; Ayphanes aculeata; Bentickia nicobarica e Carpoxylon macrocarpum.

Parque Artístico-Botânico: palmeira Washingtonia filifera. Foto: Andréa Rêgo Barros.

Parque Artístico-Botânico: palmeira Washingtonia filifera. Foto: Andréa Rêgo Barros.

Parque Artístico-Botânico - Aloe. Foto: Divulgação.

Parque Artístico-Botânico: palmeiras Phoenix canariensis e, ao fundo, o Hangar. Foto: Andréa Rêgo Barros.

Parque Artístico-Botânico: palmeira Copernicia prunifera. Foto: Divulgação.

Parque Artístico-Botânico - palmeiras Syagrus kellyana e Woodyetia bifurcada. Foto: Divulgação.

INSTAGRAM
@USINADEARTE

WordPress Image Lightbox